O Ouro Branco da Amazônia #61

No final do século 19, enquanto os barões da borracha mandavam lavar suas roupas na Europa, mais de 70% da população de Belém não tinha dinheiro para comprar um peixe no mercado.


De 1870 - 1910, a indústria da borracha foi tão lucrativa quanto a indústria do café, mas diferente do sudeste, era concentrada na mão de uma quantidade menor de indivíduos.


Fugindo da seca, quase meio milhão de nordestinos, principalmente cearenses e baianos, migraram ao Grão-Pará para trabalhar nos seringais.


Outros homens, embalados por mitos de pessoas que ficaram ricas após encontrar o "ouro branco na Amazônia" também migravam ao Norte do país.


Porém, a realidade era diferente: através do diário dos seringueiros, de estrangeiros, ou de intelectuais como Euclides da Cunha, a situação precária dos seringais da Amazônia foi amplamente registrada.


Endividados e doentes, muitos trabalhadores nunca retornaram às suas cidades de origem.


Os antigos seringueiros, antes acostumados com um trabalho de subsistência e descentralizado, viram suas liberdades e seus salários cada vez menores com a chegada do Ciclo da Borracha.


Enquanto isso, o controle de firmas aviadoras - os bancos de Belém e Manaus - só aumentava.


Ao longo do tempo, britânicos e franceses que antes consideravam a Amazônia um retrato da decadência civilizatória, agora procuravam investir pesadamente no Brasil.

____________________


Se curte o conteúdo do Geo, agradecemos quem contribuir com nossa campanha mensal no:


Picpay: https://picpay.me/geopizza

Apoia.se: https://apoia.se/geopizza

ou Patreon: https://patreon.com/geopizza


____________________


Fontes e Dicas Culturais: Marcio Souza - História da Amazônia Do Período Pré-Colombiano aos desafios do século 21 Barbara Westphalen - A borracha na Amazônia, Expansão e Decadência, 1850-1920