• Geopizza | Rodrigo Zottis

Dos Cortiços às Favelas - #Geopizza 36

Em 1904 mais de 700 casas foram destruídas e 14 mil pessoas desalojadas para dar espaço à atual Avenida Rio Branco no Rio de Janeiro.

A população, movida para as periferias, concentrou-se principalmente para o Morro da Providência, criando suas casas da forma que podiam.

Epidemias, crises econômicas e aluguéis caros não são exclusivos de 2020: enfrentamos esses elementos há séculos.

A partir de 1850 o Brasil ia de um país agrário para uma nação industrial, contudo muitas capitais provincianas não tinham planejamento urbano ou saneamento básico.

A chegada de levas de imigrantes portugueses explicitava que o país não tinha casas para comportar os próprios brasileiros, quem dirá os europeus.

Ao longo do século 19, com a aprovação da Lei Eusébio de Queiroz e do Ventre Livre, o número de escravizados libertos a procura de moradia crescia exponencialmente.

Os alugueis mostravam-se caros para a realidade de qualquer afrodescendente no Brasil, levando muitos a viverem em moradias comunitárias, junto com outros imigrantes pobres.

Esses eram os cortiços, não bem vistos pela autoridades brasileiras, conhecidos por abrigar “os mais diversos vícios e imoralidades”.

Na visão dos higienistas, responsáveis pelo saneamento da cidade, os cortiços eram responsáveis por gerar (não transmitir) doenças como a febre amarela.

Com a abolição da escravatura em 1888, milhares de ex- escravizados habitaram novos cortiços, que muitas vezes eram antigas mansões de seus senhores convertidas em moradias comunitárias.

Com a proclamação da república através do golpe de Deodoro, os higienistas tornaram-se mais influentes em todo Brasil, ascendendo a cargos de poder.

O higienista Barata Ribeiro foi eleito prefeito do Rio em 1892 e em sua visão, eliminar os cortiços e as “classes perigosas” era tão ou mais urgente quanto a vacinação da população.

Apoie o Geopizza

Esse podcast só foi possível graças a ajuda de nossos apoiadores. Auxilie o Geo a continuar produzindo seus podcasts quinzenais e publicação diária nas redes através do https://apoia.se/geopizza ou https://app.picpay.com/user/geopizzza








Escute o podcast também no: Spotify: https://spoti.fi/2NJLR91 Apple Music: https://apple.co/2ItQEJT Google podcasts: https://bit.ly/34zCuje Deezer: https://bit.ly/35c4Fpl

Hots: Rodrigo Zottis e Alexander Desmouceaux

Cardápio da Semana (dicas culturais) Livros: Sidney Chalhoub – Epidemias na corte imperial – 1996 O Xangô de Baker Street – 1995 Filmes: O Vendedor de Linguiça – 1962 Madame satã Site: Caos planejado Links úteis: Mapa do Rio de Janeiro 1850 Censo IBGE 1872 Fontes por tópico Sidney Chalhoub – Cidade Febril, Epidemias na corte imperial – 1996 Sem-tetos no Brasil Desigualdade no Brasil e https://glo.bo/358r4nb Pai Manoel Mocambos em Recife Cabeça de Porco As pestes do porto de Santos Morro da Favela

  • Instagram - White Circle
  • Twitter - Círculo Branco
  • Facebook - Círculo Branco